terça-feira, março 29, 2005

Pelas bucólicas Terras do Barroso… (III)


20 de Março de 2005



No Domingo, o grupo levantou as últimas amarras do acampamento cerca das 9.00 h. e dirigiu-se na direcção de Tourém, atravessando imensos lameiros e encostas verdejantes, onde o gado pastava pachorrentamente, em cotejo com alguns vales mais ermos e áridos, e do sombrio negrume das encostas alvo de recentes queimadas, necessárias, mas algo aversas ao olhar.

Cerca das 12.15 h. o grupo atravessava a ponte da Ribeira da Ponte Pequena, e o casario de Tourém perfilhava-se decano, em alguns casos mesmo secular, na nossa presença. Ali se perfazia, na sua totalidade, a trintena de quilómetros: monte acima, monte abaixo.

Tourém resta nos confins de Barroso, paredes-meias com a Espanha, um braço estendido (para alguns passadistas uma seta crivada) à Galiza. Mas o acolhimento neste burgo é sempre tão natural como o ar puro que aqui se inspira, e aqui prevalecem, como em Pitões, fortes reminiscências comunitárias e etnográficas praticadas por estas comunidades serranas, como é o caso do forno do povo, do trabalho colectivo ou do boi do povo, que mostra sua verdadeira têmpera nas famosas Chegas de Bois.

Os singulares usos, tradições e costumes nesta terra, que durante longo tempo foi compartida entre os galegos e os lusitanos (dizia-se que “uma casa de Portugal fica metida entre as da Galiza, e as casas da Galiza entre as casas de Portugal”) perdem-se no tempo, reflectidos na empírica sabedoria deste povo, deste Interior mais que profundo.

Acima de tudo percorrer Tourém e as terras do Barroso é ver, tocar e sentir bem no âmago de cada um, uma Ibéria sem fronteiras, sem grandes e míseros conflitos de rivalidade, sem grandes e nebulosos negócios, sem grandes processos judiciais, sem o compulsivo mega-consumismo das grandes urbes, sem a insegurança e o terror que a globalização também acarreta… mas onde a Natureza e os Homens são de uma grandeza ilimitada.

Nestas “Terras de Barroso”, reputadas de bem rigorosas e ásperas, de clima tão extremado, que delas se diz “o ano formado de nove meses de inverno e três meses de inferno”, o grupo foi desta vez acolhido com um tempo bem ameno e enxuto. Assim a boa-disposição e o espírito de equipa foram mais uma vez a tónica dominante ao longo deste fim-de-semana de espírito e alma bem Barrosã.

p.s. : Ah! E no final fomos comer um bom repasto ao restaurante "O Preto" em Pitões (cabrito barrosão, bife na brasa, cozido à Portuguesa, vitela, ... e um bom tinto a acompanhar!)


4 Comments:

Blogger Vivianne said...

oi. vida boa essa sua, nao? te invejo em genero, numero e grau.

12:28 da tarde  
Blogger Bia said...

Ola, Fernando. Obrigada pela visita. Vejo que tu es mesmo apaixonado por montanhismo, nao? Minha unica aventura similar foi subir o Monte Fuji, e confesso que nao foi uma das melhores experiencias da minha vida. Risos.

Abracos

1:14 da manhã  
Blogger Fernando_Vilarinho said...

Oi Vivianne e Bia, sim gosto muito de alpinar, mas infelizmente ultimamente não tenho tido muito tempo. E adorava subir ao monte Fuji, e tb ao Mt. Hakuba, que é considerado os Alpes do Japão.
tb tenho outros blogs que podem ver no menu da direita.
vou estar atento a ler as histórias do Japão. vou ver se vou lá prá ano.

o melhor,

11:28 da manhã  
Blogger Fernando_Vilarinho said...

já agora Vivianne, tens tem algum blogue ou afim?
se sim gostava de conhecer.

11:33 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home